Esquizofrenia


Na prática, resulta numa profunda mudança da personalidade, do pensamento, dos afetos e do sentido da própria individualidade.


É uma perturbação grave que leva o doente a confundir a fantasia com a realidade e que geralmente conduz a modos de vida inadaptada e ao isolamento social.


No Brasil a doença atinge 2 milhões de pessoas. A doença se manifesta na mesma proporção em homens e mulheres, geralmente os primeiros sintomas surgem no final da adolescência ou início da fase adulta.


Trata-se de uma doença mental grave e incapacitante, que se encontra identificada praticamente em todo o mundo atingindo diferentes classes sociais e raças.


Neste artigo listamos para você

  • Quando a esquizofrenia pode surgir

  • Sintomas da Esquizofrenia

  • Tratamento da Esquizofrenia

Veja também: Esquizofrenia: O Papel da Família no Tratamento

Estudo genético confirma associação da maconha com esquizofrenia


Quando poderá surgir?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a esquizofrenia é considerada a terceira doença que mais afeta a qualidade de vida entre a população de 15 a 45 anos de idade.


O perfil do aparecimento da doença não é uniforme tanto no que se refere à altura do seu aparecimento como à forma como ela se revela, ou seja, varia de indivíduo para indivíduo e do próprio desenvolvimento da doença, sendo que a evolução da esquizofrenia pode ser caracterizada por dois estados, súbito ou lento.


No estado súbito, a doença manifesta-se rapidamente e tem uma evolução em escassos dias ou semanas, enquanto no estadio lento o diagnóstico precoce é muito mais difícil e pode mesmo levar vários meses ou anos até que se detecte.


No caso da evolução lenta, a esquizofrenia no grupo dos jovens adultos pode mesmo ser confundida com as chamadas crises de adolescência e por este motivo frequentemente desvalorizada.


Desta forma, o isolamento, a quebra de rendimento escolar ou as alterações de comportamento são vistas pelos pais e professores como normais e passageiras.


Sintomas da Esquizofrenia

A esquizofrenia, devido às suas características, foi durante muito tempo um sinónimo de exclusão social. Os sintomas esquizofrénicos podem ser classificados em duas categorias:


Sintomas positivos

  • Delírios, ideias delirantes (pensamentos irreais, como, por exemplo, as ideias de ser perseguido ou vigiado)

  • Alucinações (perceções irreais , ouvir, ver saborear, cheirar ou sentir algo irreal, como, por exemplo, vozes que mandam fazer alguma coisa, ou comentam atos)

  • Pensamento e discurso desorganizado (elaborar frases sem qualquer sentido ou inventar palavras)

  • Agitação, ansiedade, impulsos.


Sintomas negativos

  • Falta de vontade ou de iniciativa

  • Isolamento social

  • Apatia

  • Indiferença emocional

  • Pobreza do pensamento


A esquizofrenia, devido às suas características, foi durante muito tempo um sinônimo de exclusão social.


No entanto, a partir da segunda metade do séc. XX, os avanços terapêuticos permitiram um maior conhecimento da doença apontando para novas soluções de tratamento impactando de forma positiva a qualidade de vida do doente.


O tratamento da Esquizofrenia

O tratamento deverá atuar a vários níveis para conseguir manter ou reconduzir, completa ou parcialmente, o indivíduo a uma qualidade de vida aceitável.


O controlo da doença está sempre ligado à precocidade do diagnóstico. Por outro lado, quanto mais precoce for o aparecimento da doença mais difícil será de tratar.


Já se verificou que quanto mais tarde for feito o diagnóstico, pior é a evolução da doença, porque determinados mecanismos se estruturam, se consolidam, tornando-se mais complicado modificá-los.


O tratamento farmacológico é, portanto, fundamental, na medida em que permite obter melhores resultados, sobretudo quando combinado com a intervenção psicossocial que tende a minimizar o impacto de acontecimentos derivados do contexto em que o doente vive.


Por esse motivo, devem ter lugar intervenções individuais e de grupo, tais como psicoterapia, reabilitação e aprendizagem social, sempre a desenvolver em estruturas adequadas.


Além disso, estudos realizados até à data demonstraram que a combinação das diversas estratégias de tratamento também permite diminuir a ocorrência de recaídas.


Orientação Terapêutica para Esquizofrenia


Na prática, a nova orientação na terapêutica fundamenta-se em três critérios:

  • Intervenção precoce

  • Tratamento farmacológico orientado e individualizado, tirando partido da eficácia dos fármacos de nova geração que permitem diminuir a sintomatologia com menos efeitos secundários, melhorando a adesão do doente ao tratamento

  • Intervenção de reabilitação que poderá atuar cada vez melhor, graças à capacidade de resposta do indivíduo às solicitações da reinserção.


Assim, novos medicamentos para a esquizofrenia são sempre desejados pelo aumento das probabilidades de tratamento com sucesso e serão sempre escassos face ao peso da doença. Nesta matéria, um dos avanços na luta contra a esquizofrenia, lançado em Portugal é a substância activa ziprasidona.


Este antipsicótico é eficaz no tratamento de doentes esquizofrénicos e tem um perfil de tolerabilidade superior aos outros medicamentos da sua classe. A ziprasidona melhora a qualidade de vida do doente, verificando-se uma melhor adesão à terapêutica.


Os doentes esquizofrénicos apresentam frequentemente alterações em vários parâmetros de saúde como sejam os níveis de triglicéridos, colesterol e prolactina, peso corporal, diabetes e perturbações do movimento, que podem ser decorrentes da própria doença, mas que na sua maioria são decorrentes do tratamento com antipsicóticos.


A este nível, a ziprasidona apresenta um melhor perfil de tolerabilidade, destacando-se as suas vantagens de não interferência nesses parâmetros. Além disso, verificou-se que também os doentes que abandonaram tratamentos anteriores e iniciaram ziprasidona podem beneficiar desses efeitos.


Afastamento social: pode ser relativo a sintomas positivos (alucinações, delírios) ou insucessos repetidos, ou apatia face a um ambiente não estimulante.


Alucinações: perceção aparente e subjectiva de um objeto ou acontecimento, que não se encontra presente. As mais comuns são as alucinações auditivas (poderão ocorrer visuais, olfactivas, gustativas, tácteis, físicas ou combinações).


Delírio: crença falsa ou perceção errada, temas somáticos, grandiosos, religiosos, niilistas ou persecutórios.


Diminuição afectiva: redução de expressão e resposta emocional, indiferença/apatia, expressão facial pobre, pobreza de gestos expressivos, pouco contacto ocular, abrandamento no discurso.


Diminuição da atenção: dificuldade em manter a atenção, atenção selctiva e tendência para se distrair facilmente, pequena margem de atenção, mudança do centro da atenção.


Diminuição da memória: diminuição da memória explícita (recordação consciente do material).


EPS: síndrome ou sintomas extrapiramidais. Perturbações do movimento (ex. parkinsonismo), normalmente decorrentes do tratamento com neurolépticos.

Função executiva: A aprendizagem processual de uma tarefa motora pela execução está bem preservada.


IM: Intramuscular.


Neuroléptico: medicamento que exerce um efeito depressor global sobre a maior parte das funções cerebrais, que acalma a agitação e a hiperaatividade neuromuscular proporcionando um estado de tranquilidade e descontração.


Os neurolépticos são prescritos em diversas psicoses em que predominam a excitação e os estados delirantes com agitação e agressividade.


Perturbação do pensamento ou discurso desorganizado: perda de associação (perda da ligação lógica entre ideias associadas) podendo incluir: descarrilamento/fluxo pouco lógico, respostas tangenciais, pobreza de discurso ou de conteúdo, salada de palavras.

0 visualização

Posts Relacionados

Ver tudo
Árvores na água
Clínica Espaço Village.png